Ambientalistas defendem mudanças na proposta

LOC: A COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA DO SENADO DISCUTIU NESTA SEGUNDA-FEIRA A REFORMA DO CÓDIGO FLORESTAL NA VISÃO DOS DIREITOS HUMANOS.

LOC: OS CONVIDADOS DA CDH SE MANIFESTARAM CONTRA PARTES DO TEXTO EM DEBATE NO CONGRESSO NACIONAL E DEFENDERAM MUDANÇAS NA PROPOSTA. REPÓRTER GEORGE CARDIM.

(REPÓRTER): Ambientalistas, especialistas e representantes da igreja católica, dos trabalhadores sem-terra, dos indígenas e dos quilombolas criticaram alguns pontos da proposta de Código Florestal que está em discussão no Senado Federal. Entre eles, a possibilidade de legalização das plantações que já existiam, antes de julho de 2008, nas Áreas de Preservação Permanente, as chamadas APPs. O coordenador do Instituto Sócio Ambiental, Raul Telles do Valle, disse que a data desta”anistia” deve ser anterior a 2008 e defendeu que os produtores que desmataram a reserva legal sejam obrigados a recuperar essas áreas. Já o secretário geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Dom Leonardo Steiner, disse que o debate não pode ser liderado pelos interesses econômicos, e sim levar em conta a preservação ambiental. A idéia é garantir a conservação e o uso sustentável da terra, além de evitar novas catástrofes naturais, como enchentes e deslizamentos de terras.
(DOM LEONARDO): Não se trata de ambientalismo, está em jogo a nossa vida, está em jogo a humanidade, está em jogo o brasileiro, nosso habitat, a nossa casa. Esta questão que eu senti sempre como uma discussão importante de fundo dessas entidades.
(REPÓRTER): O relator da matéria na Comissão de Meio Ambiente, senador Jorge Viana, do PT do Acre, elogiou o debate e explicou que o desafio é conciliar a produção de alimentos com a preservação ambiental e ainda criar mecanismos para regularizar a atividade rural e incentivar a recuperação de áreas degradadas.
(JORGE VIANA): É uma coisa complexa. Está envolvido muitos interesses. Está envolvido como lidar com o passado mas essencialmente como o Brasil pretende por os dois pés no novo milênio. Como o Brasil pretende se firmar como uma nação de referência no mundo. Em dois aspectos: do ponto de vista da produção e do ponto de vista da produção e do ponto de vista da proteção ambiental. Este é o desafio do código.. esse é o desafio dessa lei.
(REPÓRTER): O novo Código Florestal deve ser votado na próxima terça-feira nas comissões de Agricultura e Ciência e Tecnologia. Em seguida, o texto vai ser analisado pela Comissão de Meio Ambiente antes de ser examinado pelo plenário da Casa.

Fonte: http://www.senado.gov.br/noticias/Radio/programaConteudoPadrao.asp?COD_TIPO_PROGRAMA=4&COD_AUDIO=156973
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *