É preciso manter a redução de gastos não essenciais, diz ex-diretor do FMI

A crise econômica provocada pelo coronavírus agravou o desequilíbrio das contas públicas e aumentou os índices de desemprego no Brasil. Porém, o debate público sobre a questão fiscal ainda é deficiente no país. A afirmação foi feita nesta segunda-feira (24) pelo ex-diretor-executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI), Paulo Nogueira Batista Júnior. Ele participa de audiência pública da comissão mista que acompanha das medidas do governo federal no combate à covid-19, o que inclui a situação fiscal e a execução orçamentária. 

— É preciso ajustar o investimento público, que está baixíssimo, e manter transferências elevadas a pessoas de baixa renda, que ajudam na sustentação da atividade e do emprego. Além disso, são necessárias severas disciplinas sobre gastos não essenciais. Se o Estado estava falindo antes, o que dizer agora? Esta constatação traz consequências graves — disse Paulo Nogueira. 

O encontro da comissão debate o impacto da pandemia na economia internacional, os principais riscos fiscais e macroeconômicos, as estratégias internacionais de enfrentamento e como a experiência brasileira no combate a crises econômicas pode contribuir para mitigar a crise atual. 

Também participam da reunião representantes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado. A comissão mista é presidida pelo senador Confúcio Moura (MDB-RO) e tem, como relator, o deputado Francisco Jr. (PSD-GO).

Mais informações em instantes

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: http://www12.senado.gov.br/noticias/noticias/materias/2020/08/24/e-preciso-manter-a-reducao-de-gastos-nao-essenciais-diz-ex-diretor-do-fmi
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *