Instituições, povos indígenas e sociedade civil completam primeiro dia da audiência pública sobre o clima

O primeiro dia de exposições da audiência pública realizada pelo Supremo Tribunal Federal para discutir a captação a utilização dos recursos do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo do Clima) foi encerrado com a participação de representantes de instituições como o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e institutos de pesquisa e de atuação na área ambiental. A audiência prossegue amanhã, a partir das 9h, com transmissão em tempo real pelo canal do STF no YouTube.

Desafios

A representante no Brasil do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), Denise Hamú, afirmou que os fundos climáticos, além de financiar ações para mitigação das mudanças do clima, são indutores de soluções inovadoras para o desenvolvimento sustentável, trazendo benefícios sociais, ambientais e econômicos. Segundo ela, embora muitos países tenham leis ambientais fortes, incluindo o direito a um meio ambiente equilibrado, um desafio central é a implementação e a aplicação efetiva das leis e direitos.

Por sua vez, a presidente da comissão de direito ambiental do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ana Carolina Barchet, observou que o maior desafio das próximas gerações é o alcance de um ponto de equilíbrio entre proteção e produção, com a implementação de uma legislação eficiente que alie orientações científicas com as práticas e experiências das populações tradicionais.

“Vacina”

A coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Sônia Guajajara, afirmou que, mesmo com um aumento de 30% no desmatamento no último ano, as terras indígenas continuam sendo as mais preservadas e atuam como barreiras contra a perda de florestas. Apesar disso, são as áreas mais ameaçadas, pois, em razão do enfraquecimento da fiscalização, estão sob constante pressão de madeireiros e garimpeiros e são foco de conflitos fundiários. Segundo a coordenadora da Apib, a situação atual é ainda pior em razão da pandemia, que já resultou em mais de 30 mil indígenas infectados e mais de 800 mortos. Sônia Guajajara observou que, diferentemente da pandemia, as mudanças climáticas podem chegar a um ponto de irreversibilidade. “O princípio ativo para reverter as mudanças climáticas é a consciência humana. A vacina para essa mudança é a conexão com a Mãe Terra”, afirmou.

Segundo Guajajara, o governo brasileiro, nos últimos dois anos, reduziu os espaços de participação dos povos indígenas no debate sobre o enfrentamento das alterações climáticas e a preservação de direitos, além de não cumprir com as obrigações de combater queimadas, desmatamentos e a degradação ambiental. “Estamos fazendo esse chamado para as instituições, os órgãos responsáveis, a sociedade, o mundo inteiro, para olhar para os povos indígenas não como coitadinhos, mas por tudo que a gente faz de garantir as florestas em pé, a água limpa, que acabam beneficiando todo o planeta”.

Projetos específicos

O representante da Área de Proteção Ambiental “Triunfo do Xingu”, Marcelo Norkey, afirmou que as políticas de desenvolvimento econômico para a Amazônia devem respeitar as diversas realidades e culturas da região e envolver as populações na tomada de decisões. Segundo ele, para assegurar a utilização sustentável dos recursos florestais, cada região deve ter um projeto específico para garantir emprego, segurança social e respeito às culturas.

Agente de desmatamento

Pelo Instituto Democracia e Sustentabilidade, João Paulo Ribeiro Capobianco afirmou que o Brasil tem sido o principal agente de desmatamento do mundo nas últimas três décadas. Segundo ele, a atual situação da Amazônia é “uma ação deliberada de desmontagem do sistema público da maior floresta tropical do planeta”.

Aproveitamento sustentável

Em nome do Centro de Empreendedorismo da Amazônia, Raphael Medeiros salientou que é preciso desenvolver uma economia de base com foco na floresta. “Não há como manter uma floresta em pé com subdesenvolvimento e com baixo índice de progresso social”, afirmou, ao defender a criação de centros de pesquisas e oportunidades na área de novas formas de alimentos, turismo de experiência e outras ações. Para ele, é necessário resgatar o compromisso com os jovens, garantindo-lhes um futuro mais digno.

Potência ambiental

O pesquisador Carlos Afonso Nobre, do Instituto de Estudos Avançados da USP e do Instituto de Estudos Climáticos da UFES e coordenador do Projeto Amazônia 4.0 e a iniciativa “Terceira Via Amazônica”, mostrou soluções para transformar o Brasil na primeira potência ambiental da sociobiodiversidade do mundo. Segundo ele, a Floresta Amazônica é a que mais recicla água e nutrientes de forma eficiente, mas o desmatamento, o aquecimento global e os incêndios geram um grande risco de savanização de parte da Amazônia, que será irreversível. Para ele, é preciso buscar um novo paradigma de desenvolvimento sustentável, a fim de atender as necessidades dos povos amazônicos sem precisar construir grandes hidrelétricas, que têm impacto muito negativo. Uma das soluções propostas é a combinação entre tecnologias e o aproveitamento dos ativos biológicos da floresta. Esse modelo serviria para todos os países tropicais, com a conservação da terra para a saúde humana.

Consequências da mudança climática

Como representante do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), o cientista Paulo Moutinho disse que o avanço do desmatamento faz com que o clima local mude de maneira bastante acentuada, gerando um ambiente mais seco e mais inflamável. Ao expressar preocupações com o futuro da Floresta Amazônica, Moutinho avaliou que a mudança climática global e o desmatamento têm trazido perda de direitos fundamentais, insegurança alimentar e ameaça à segurança nacional. Ele também observou que a distribuição fundiária na Amazônia está relacionada ao desmatamento e ressaltou que as florestas públicas não destinadas são alvo da atuação ilegal de grileiros, “literalmente um roubo ao patrimônio dos brasileiros”.

Patrimônio público fundiário

O Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) foi representado pela advogada Brenda Brito do Carmo, que falou sobre os estudos relacionados à crise climática enfrentada na região amazônica. As pesquisas citadas por ela indicam que áreas protegidas cooperam para a manutenção da floresta. Ela mostrou como o Poder Executivo e, em alguns casos, o Poder Legislativo têm atuado para legalizar um ciclo de invasão de terras públicas associado ao desmatamento e à emissão de gases do efeito estufa no país, além de violar direitos constitucionais.

Epicentro de epidemias

Em nome do Instituto Socioambiental (ISA), o consultor jurídico Maurício Guetta afirmou que, caso o desmatamento continue a avançar com rapidez, a Floresta Amazônica pode desaparecer e dar lugar à savana, atingindo a indústria, o agronegócio e o abastecimento da população. De acordo com ele, o crescimento do desmatamento gera mudança de clima e, com isso, o risco de perda de espécies será sem precedentes e irreversível. Ele também observou o aumento dos casos de malária e leishmaniose e salientou que a mudança climática deve agravar também doenças como febre amarela, dengue, zika e chicungunha, fazendo da Amazônia um novo epicentro de epidemias globais. Segundo ele, o poder público tem atuado de forma insuficiente, sem a realização de políticas públicas e sem planejamento.

Novo modelo de economia

O diretor de novos negócios do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), Mariano Cenamo, disse que é preciso investir em um novo modelo de economia, iniciando um trabalho de médio e longo prazo direcionado à biodiversidade. Para ele, o foco de transformação deve ser a pesquisa e inovação como forma de atrair o setor privado, inspirado nas histórias de sucesso do próprio país, como foi o caso do etanol (cana-de-açúcar) e a aviação civil (Embraer).

PR,EC//CF

Veja a reportagem da TV Justiça:

 

 

 

Fonte: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=452080
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

3 thoughts on “Instituições, povos indígenas e sociedade civil completam primeiro dia da audiência pública sobre o clima

  1. Have you ever heard of second life (sl for short). It is essentially a online game where you can do anything you want. Second life is literally my second life (pun intended lol). If you want to see more you can see these second life websites and blogs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *