Líder do PT quer suspender decreto que transfere florestas para Agricultura

O líder do PT, senador Rogério Carvalho (SE), quer revogar a decisão do presidente Jair Bolsonaro que transfere a concessão de florestas públicas do Ministério do Meio Ambiente para a pasta da Agricultura. O parlamentar é autor do Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 226/2020.

A transferência está prevista no Decreto 10.347, de 2020, assinado em maio por Bolsonaro. De acordo com o texto, o Ministério da Agricultura fica responsável por formular estratégias, políticas, planos e programas para a gestão de florestas públicas. A pasta pode, por exemplo, definir quais áreas serão submetidas à concessão florestal, estabelecer termos de licitação e critérios de seleção e formalizar contratos para o manejo florestal. Antes do decreto, essas eram prerrogativas do Ministério do Meio Ambiente.

Para Rogério, a transferência de competências “é injustificável e absolutamente incompatível com a prática internacional”. Ele alerta que “o risco de prejuízos ambientais é gravíssimo” e classifica a medida como “uma nova ofensiva da banda ruim do setor ruralista”.

De acordo com o parlamentar, o decreto foi editado porque o Congresso Nacional não votou a medida provisória (MP) 910/2019. Editada em dezembro, a matéria perdeu a eficácia em maio. Diante da caducidade da MP, o deputado Zé Silva (Solidariedade-MG) apresentou um projeto de lei (PL 2.633/2020) para regularizar áreas ocupadas em terras da União.

“Com a edição do decreto, dá-se margem para que o governo consiga fazer concessões de florestas públicas em as áreas que ficaram de fora da grande regularização fundiária que a MP dos Grileiros e o projeto de lei pretendem promover. Revela-se, portanto, mais uma atitude irresponsável desta gestão para com o meio ambiente e os povos indígenas de nosso país”, criticou Rogério.

O PDL 226/2020 foi apresentado no dia 15 de maio. Mas ainda não foi distribuído para as comissões de mérito do Senado.

Nos tribunais

O Decreto 10.347, de 2020, também sofreu questionamentos na Justiça. Em maio, a 4ª Vara Federal Cível do Distrito Federal negou um pedido de parlamentares do PT para suspender a transferência de competências do Ministério do Meio Ambiente para o da Agricultura. Para o juiz Itagiba Catta Preta Neto, o presidente da República tem competência para organizar as atribuições de órgãos do Executivo.

Em julho, uma decisão da 1ª Vara Federal Cível do Pará reverteu a situação. De acordo com o juiz Henrique Jorge Dantas da Cruz, um decreto de Jair Bolsonaro não poderia alterar as prerrogativas da pasta ambiental sobre a gestão das florestas públicas porque elas são previstas em lei federal (Lei 11.284, de 2006).

Mas a liminar concedida pelo juiz Henrique Jorge Dantas foi suspensa dias depois pelo desembargador Italo Fioravanti Sabo Mendes, presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª. Região, em Brasília. Para o magistrado, a suspensão do decreto “interfere na organização interna e no funcionamento da Administração Pública Federal”.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: http://www12.senado.gov.br/noticias/noticias/materias/2020/11/09/lider-do-pt-quer-suspender-decreto-que-transfere-florestas-para-agricultura
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

5 thoughts on “Líder do PT quer suspender decreto que transfere florestas para Agricultura

  1. гидра онион зеркала, конечно же, обеспечивает анонимность в сети, но тем не менее, этой защиты недостаточно и работать с проектом с обычного браузера нельзя. При открытии сайта через привычный для вас браузер провайдер отследит все проекты, на которые вы заходили, и столь подозрительная активность может заинтересовать правоохранительные органы. Потому нужно задуматься о дополнительной безопасности.

  2. If you want to use the photo it would also be good to check with the artist beforehand in case it is subject to copyright. Best wishes. Aaren Reggis Sela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *