Mantida prisão de integrante de quadrilha que executou defensora pública do Pará

Por unanimidade de votos, os ministros que compõem a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negaram o Habeas Corpus (HC 101765) impetrado pela defesa do vigilante Marcelo Teles Cardoso, condenado a 20 anos de prisão pela morte da defensora pública Vera Ximenes Pontes, em abril de 2008, em Belém (PA). Com isso, foi mantida a prisão do vigilante que, segundo a sentença, foi responsável por dar fuga aos comparsas que invadiram a residência da promotora para roubar dinheiro. Ela foi torturada e asfixiada.

O vigilante foi preso quatro dias depois do crime, em 17 de julho de 2008. Na sustentação oral feita perante a Segunda Turma, seu advogado afirmou que ele é inocente e que sua confissão foi obtida mediante tortura. A defesa alega que há provas de que Marcelo estava fazendo compras com a família em um supermercado de Belém na hora do crime, pois esta era sua rotina sempre que recebia o auxílio-alimentação (Valecard). Ainda, segundo a defesa, o estabelecimento se nega a fornecer as fitas de gravação feitas pelo circuito interno de TV à família e esta prova não foi requisitada oficialmente pelo Ministério Público, apesar dos apelos nesse sentido.

De acordo com o relator do processo, ministro Gilmar Mendes, não há como reexaminar matéria de prova na via estreita do habeas corpus. Além disso, segundo o relator, o decreto de prisão está bem fundamentando, tendo em vista o modus operandi da quadrilha (a defensora pública foi encontrada de pés atados) e a gravidade do crime cometido. A defesa havia pedido que Marcelo Teles Cardoso aguardasse em liberdade o julgamento do recurso de apelação contra a sentença condenatória.

VP/AL

Leia mais:

17/02/2010 – Ministro mantém prisão de integrante de quadrilha que executou defensora pública do Pará
 

 

Fonte: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=160204
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

2 thoughts on “Mantida prisão de integrante de quadrilha que executou defensora pública do Pará

  1. Have you ever heard of second life (sl for short). It is basically a video game where you can do anything you want. SL is literally my second life (pun intended lol). If you would like to see more you can see these Second Life websites and blogs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *