Mantidas penas aplicadas a corretores condenados no escândalo dos precatórios

Por maioria de votos, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu o Habeas Corpus (HC) 123691 e manteve as penas aplicadas a Arthur Augusto Dale e Ricardo Thomé, ambos condenados pela prática do crime de gestão fraudulenta na administração de uma corretora.

O julgamento foi retomado na sessão desta terça-feira com o voto do ministro Luís Roberto Barroso que acompanhou o relator, ministro Dias Toffoli, no sentido de manter a decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), que aumentou a sanção fixada em primeira instância, de quatro anos de reclusão, para 5 anos e 6 meses de reclusão, a ser cumprida inicialmente no regime semiaberto. Ficou vencido o ministro Luiz Fux.

Arthur Augusto Dale e Ricardo Thomé foram condenados, com base no artigo 4º da Lei 7.492/1986 (Lei do Colarinho Branco), pela participação, em 1996, no chamado escândalo dos precatórios. De acordo com os autos, a corretora Cedro Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, administrada pelos dois, negociou de forma fraudulenta títulos da dívida pública emitidos pelos estados de Alagoas, Paraíba e Santa Catarina.

PR/CR

Leia mais:

28/10/2018 – Suspenso julgamento de HC de condenados por envolvimento no escândalo dos precatórios

 

Fonte: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=388186
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *