OPERAÇÃO CARTA DE FORAL combate fraudes em licitações e desvio de recursos públicos em 10 prefeituras paraenses

Foi deflagrada na manhã desta sexta-feira (9/11) operação conjunta entre Receita Federal do Brasil (RFB), Polícia Federal (DPF) e Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), com o objetivo de combater e de desmantelar esquema de fraudes em processos licitatórios e o desvio de recursos públicos oriundos predominantemente do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) em várias prefeituras paraenses.

De acordo com as investigações, o esquema de fraudes em processos licitatórios atingiu os municípios de Viseu, Ipixuna do Pará, Mãe do Rio, Ourém, Santa Maria do Pará, São Caetano de Odivelas, São Miguel do Guamá, Marituba, Marapanim e Cachoeira do Piriá.

As análises efetuadas demonstraram a ligação entre as empresas investigadas, evidenciando que o esquema montado para fraudar as licitações consistia na utilização de empresas constituídas em nome de interpostas pessoas para propiciar o direcionamento do resultado dos processos licitatórios em benefício do grupo fraudador. Os mentores da fraude são investigados ainda por lavagem de capitais, já que teriam adquirido bens de alto valor agregado de modo a ocultar e dissimular a origem ilícita dos valores desviados.

Ao todo foram expedidos pela Justiça Federal de Castanhal/PA 9 mandados de prisão temporária e 30 mandados de busca e apreensão para cumprimento simultâneo nos municípios paraenses onde as fraudes teriam sido praticadas, bem como Belém e Ananindeua.

Participam da operação 12 auditores-fiscais e analistas-tributários da RFB, os quais acompanharam servidores da CGU e policiais federais.

O Auditor-Fiscal da Receita Federal Marcus Aurélio Caldeira Antunes, Superintendente Adjunto da Receita Federal na 2ª Região Fiscal, participará de entrevista coletiva às 10:00 h na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Pará.

O nome da operação CARTA DE FORAL faz referência a um documento real utilizado em Portugal, que visava estabelecer um conselho e regular a sua administração, deveres e privilégios. Era concedido a determinados nobres que tinham o privilégio de contratar com a coroa Portuguesa.

ENTENDA A FRAUDE

 

Fonte: http://idg.receita.fazenda.gov.br/noticias/ascom/2018/novembro/operacao-carta-de-foral-combate-fraudes-em-licitacoes-e-desvio-de-recursos-publicos-em-10-prefeituras-paraenses
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *