STF nega Mandado de Segurança contra ato de Turma Recursal do Juizado Especial

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Marco Aurélio, decidiu que não cabe à Corte julgar Mandado de Segurança movido contra ato de Turma Recursal do Juizado Especial.

 

O despacho do presidente do STF (MS 24319) diz que os integrantes dos juizados especiais estão sujeitos aos tribunais de Justiça, nos crimes comuns e de responsabilidade, conforme prevê a Constituição Federal no inciso III do artigo 96.

 

A decisão também tem por base o artigo 21, inciso VI da Lei Complementar 35/79 – lei Orgânica da Magistratura Nacional. O dispositivo prevê que compete originariamente aos tribunais julgar os Mandados de Segurança contra seus atos, os dos respectivos presidentes e os de suas Câmaras, Turmas ou Seções.

 

O ministro Marco Aurélio explica que a partir da interpretação dos dois dispositivos e do artigo 102 da Carta, o STF já decidiu repetidas vezes que não cabe ao Tribunal julgar Mandado de Segurança movido contra ato de Turma Recursal do Juizado especial.

 

O entendimento tem sido reiterado em diversos julgamentos do Supremo e foi mantido em despacho do ministro Marco Aurélio ao declinar da competência do Tribunal para julgar o Mandado de Segurança ajuizado por Célia Ferreira Pagani contra ato da Primeira Turma Recursal dos Juizados especiais Cíveis e Criminais do Rio de Janeiro.

 

A mesma decisão foi tomada pelo presidente do Supremo ao declinar da competência para o Tribunal de Justiça do estado do Paraná para julgamento do Mandado de Segurança (MS 24318) ajuizado por Kuala Indústria e Comércio de  Bebidas Ltda. contra ato do presidente do TJ/PR.

 

#SS/DF//AM

Fonte: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=59029
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *