TJRO terá que fundamentar votação para cargo de desembargador pelo quinto constitucional

O Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO) terá que votar novamente a lista sêxtupla encaminhada pela Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil daquele Estado (OAB-RO) para o preenchimento da vaga de desembargador destinada ao quinto constitucional da categoria. A decisão decorre do voto do conselheiro José Adonis Callou de Araújo Sá, que abriu a divergência e foi seguido pela maioria dos conselheiros. Foi vencido o relator do caso, conselheiro Ives Gandra Martins Filho.O tema foi analisado na sessão plenária desta terça-feira (1/3), no Pedido de Providência 0007009-91.2010.2.00.0000. Essa ação foi proposta pela OAB-RO com o objetivo de impugnar a devolução, por parte do Tribunal, dos seis indicados pela seccional para compor a vaga de desembargador.

A entidade questionou no CNJ os votos em branco, o estabelecimento de quórum mínimo para a escolha e a falta de publicidade e fundamentação, por parte dos integrantes do TJRO, durante o processo de votação e formação da lista tríplice (que é enviada ao governador para que escolha um nome e o nomeie para o cargo).

O conselheiro José Adonis Callou de Araújo Sá abriu a divergência. “O CNJ em 14 de abril de 2009 reiterou essa orientação (pelo voto aberto e fundamentado). Vou pedir vênia ao relator e julgar procedente o pedido da OAB, seguindo a orientação do próprio Conselho”, afirmou.

O conselheiro Milton Nobre seguiu a divergência, mas reforçou que o tema precisa ser apreciado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por se tratar de matéria constitucional. “Somente quem pode pacificar essa matéria é o Supremo. É matéria que precisa de lapidação definitiva”, afirmou.

Apesar dos argumentos, o relator manteve-se firme ao votar pela improcedência do pedido. “Os dispositivos invocados não dizem que têm que ser feito desta forma. Seria muito bom se deixássemos de ter voto secreto, mas fundamentado e em ato administrativo… não podemos generalizar o artigo da Constituição”, afirmou Ives Gandra Martins Filho.

Ele foi acompanhado pelos conselheiros Nelson Tomaz Braga e Morgana Richa; a corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon; e o presidente do CNJ, ministro Cezar Peluso. 

Giselle Souza
Agência CNJ de Notícias

Fonte: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj//noticias/cnj/13386-tjro-tera-que-fundamentar-votacao-para-cargo-de-desembargador-pelo-quinto-constitucional
Todas as informações contidas nesta página são de responsabilidade do seu criador.

One thought on “TJRO terá que fundamentar votação para cargo de desembargador pelo quinto constitucional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *